Seguidores

*** NIJU KUN: 1- Não se esqueça que o Karate deve iniciar com saudação e terminar com saudação; 2- No Karate não existe atitude ofensiva; 3- O Karate é um assistente da justiça; 4- Conheça a si próprio antes de julgar os outros; 5- O espírito é mais importante do que a técnica; 6- Evitar o descontrole do equilíbrio mental; 7- Os infortúnios são causados pela negligência; 8- O Karate não se limita apenas à academia; 9- O aprendizado do Karate deve ser perseguido durante toda a vida; 10- O Karate dará frutos quando associado à vida cotidiana; 11- O Karate é como água quente. Se não receber calor constantemente torna-se água fria; 12- Não pense em vencer, pense em não ser vencido; 13- Mude de atitude conforme o adversário; 14- A luta depende do manejo dos pontos fracos (KYO) e fortes (JITSU); 15- Imagine que os membros de seus adversários são como espadas; 16- Para cada homem que sai do seu portão, existem milhões de adversários; 17- No início seus movimentos são artificiais, mas com a evolução tornam-se naturais; 18- A prática de fundamentos deve ser correta, porém na aplicação torna-se diferente; 19- Não se esqueça de aplicar corretamente: alta e baixa intensidade de força, expansão e contração corporal, técnicas lentas e rápidas; 20- Estudar, praticar e aperfeiçoar-se sempre."

DVDs de Karate-Do

VENDA DE DVDs

O Melhor da Net

Nihon Karate Kyokai Mão de Ferro Escola de Karate-Do do Brasil Karate Santamariense Mosteiro Zen Morro da Vargem Jutsko - Gustaaf Lefevre Junior Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem

Visualizações

Visitantes

Translate

6° CAMPEONATO MUNDIAL JUNIOR DE KARATE

O 6° Campeonato Mundial Junior de Karate foi realizado no Complexo Esportivo Príncipe Moulay Abdellah Sport em Rabat, Marrocos, durante os dias 12, 13, 14 e 15 de novembro, e os maricaenses Eric Henrique Braga, Larissa Barbosa Braga e sua mãe, Ana Maria Barbosa Braga, se tornaram os primeiros karate-ka da história do karate da Região dos Lagos do Rio de Janeiro a viajarem para o maior evento do planeta desta arte marcial.

Esse desafio transcontinental foi possível graças a uma bela história que merece ser contada, a qual começa com os sonhos que nos movem.

Durante as batalhas ao longo do ano de 2008, nossos Eric e Larissa conheceram uma "fada madrinha". Muito além de bem sucedida profissionalmente, a competente jornalista Renata Capucci, âncora do telejornal RJ TV da Rede Globo de Televisão ao lado de Márcio Gomes, revelou-se para nossos atletas com superlativos atributos de humildade, atenciosidade, simpatia e solidariedade.

O empenho realizado por esta profissional do mundo da comunicação produziu algumas reportagens de destaque estadual e até nacional, que veicularam a história dos feitos de nossos pequenos guerreiros. Através de uma destas reportagens (foto a dir. com o repórter Vinícius Assis), eis que um "anjo da guarda" se voluntariou para viabilizar a realização deste sonho.

Sensibilizado com a campanha antes e durante o XX Campeonato Pan-americano Junior, e quase que em anonimato, o Sr. Márcio Vignoli entrou em contato para ofertar passagens e hospedagem para os atletas Eric Henrique Braga e Larissa Barbosa Braga, e sua mãe viajarem ao 6° Campeonato Mundial Junior de Karate no Marrocos. Confesso aqui que tenho dificuldades de expressar em palavras a dimensão do gesto e a nossa eterna gratidão por tamanho desprendimento e solidariedade.

Sr. Márcio Vignoli (ConeSul). Acreditando em nosso trabalho exclusivamente a luz de seu coração

O Campeonato Mundial Junior de Karate é realizado bi anualmente pela Federação Mundial de Karate (WKF), entidade reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e com 209 países filiados, dos quais 82 levaram 1144 atletas ao Marrocos. A WKF inovou nesse evento ao promover através de seu web site a transmissão ao vivo em vídeo.

Por conta dos hoteis lotados, a delegação brasileira se hospedou em duas cidades: Rabat, capital do Marrocos, nos hoteis Balima e Mercure chehrazade, onde ficou Genival Ferreira, técnico da modalidade kata (luta imaginária pré determinada), e Casablanca, onde ficaram os atletas do shiai kumite (luta por pontos) sob os cuidados do técnico Rodrigo Barbosa Terra e do Diretor Técnico da CBK, Sensei Wladimir Romic, que é árbitro internacional e atuou neste Mundial.

Romic Sensei (sentado a frente da placa) representando o Brasil no quadro de árbitros, que carece de muitos outros brasileiros...

Graças ao patrocínio da ConeSul e do apoio da Prefeitura Municipal de Maricá, que através do esforço do Prefeito Washington Siqueira e da Secretária de Esportes, Profª Dilcinete Grijó, contribuiu com as taxas de inscrição, alimentação, translados e indumentária completa homologada pela WKF (foto ao lado), no dia 09/11, as 21:20h, ansiosos, Eric Henrique Braga, Larissa Barbosa Braga e sua mãe, Ana Maria Barbosa Braga, embarcaram no Aeroporto Internacional Tom Jobim. Após uma longa e fria conexão em Paris, França (2°C de temperatura), nossos guerreiros chegaram em Rabat, Marrocos, no dia seguinte as 21:30h do horário local (+ 3h que Brasília).

Na manhã seguinte, 11/11, se encontraram com o técnico Rodrigo Barbosa Terra e outros atletas da Seleção Brasileira, que iriam confirmar as suas inscrições. A tarde se deslocaram para Casablanca para os últimos e intensos treinamentos antes da contenda. Após sacramentarem as inscrições no hotel Golden Tulip (sede administrativa do evento), junto com as delegações dos países que fizeram de Rabat a capital mundial do karate durante o mês de novembro, após algum descanso, os bravos brasileiros seguiram rumo ao ginásio onde se realizou a competição.

Larissa Barbosa Braga, Técnico Rodrigo Barbosa Terra, Eric Henrique Braga e o animado mascote do Mundial
.
Sorteada em um lado bastante difícil da chave, logo de início Larissa teria como adversária a japonesa Hykaru Ohno, que se saiu melhor em todas as lutas que disputou e sagrou-se Campeã Mundial da categoria de shiai kumite Junior - 48 Kg. Hykaru Ohno entrou para a história por, num mesmo dia, ter ganhado também o título mundial na modalidade kata, fato muito raro se não inédito na WKF. Completaram o pódio a egípcia Mayada Ali em 2º lugar, a francesa Emilie Thouy, atual Campeã Europeia, em 3º, e também em 3º a americana Tyler Avery Wolfe, que venceu a Larissa na final Pan-americana deste ano em El Salvador. Cabe ressaltar que Larissa estreiou nesta categoria há apenas três meses. Embora os resultados tenham sido aquém das expectativas, graças ao apoio da Academia Equipe Forma, as suas árduas preparações foram de primeira linha. Agora lhes cabe utilizar a rica e intensa experiência adquirida neste Mundial para os seus futuros como atletas, karate-ka, e seres humanos, o mais importante segundo os princípios filosóficos do próprio karate-do.
Como fazer do limão a limonada deve ser um dos atributos que precedem um atleta do dito alto rendimento, Eric Henrique e sua irmã, Larissa Barbosa Braga, não perderam tempo e procuraram fazer algum intercâmbio ao interagirem com atletas consagrados do karate mundial.
Wayne Otto (inglês): Tri Campeão Mundial, e Alexandre Biamonti (francês): Bi Campeão Mundial e Enea Campeão Europeu com nossos Eric e Larissa Braga
Luca Valdesi (italiano): Tri Campeão Mundial consecutivo na modalidade kata, e Antonio Díaz (venezuelano): atual Vice-Campeão Mundial na modalidade kata

Obrigado aos amigos pelas mensagens de fé, coragem e incentivo!

V A L E U__B R A S I L !

Entre "mortos e feridos" alguns sobreviveram, e nossos pequenos guerreiros puderam desfrutar de momentos de alegria, tristeza, decepção e quiçá, redenção. Que a benção de Deus e alguns sábios pensamentos os acompanhem nesta que foi uma difícil mas honrosa jornada.

  • Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas.
  • Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória obtida sofrerá também uma derrota.
  • Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas".

Sun Tzu

"Sucesso é a prática constante de fundamentos e ações vencedoras. Não há nada de milagroso no processo nem sorte envolvida... Amadores aspiram... Profissionais trabalham..." Autor desconhecido

PATROCÍNIO

ConeSul - Tecnologia Educacional ao alcance de todos

APOIO

Empossado em jan/2009, o Prefeito Washington Siqueira se esforça para viabilizar a sustentabilidade do esporte amador da cidade

Saúde, Fitness & Esporte, simplesmente a n° 1 em Maricá

Opinião sobre as hipóteses do desempenho do Brasil em Mundiais

Levando em conta o resultado geral do Mundial e suas estatísticas, e que o Brasil tenha enviado a segunda maior delegação deste Mundial (32 atletas), empatado com França (quase vizinha do país-sede) e Croácia (próxima sede do Mundial Senior), infelizmente, nosso país não conquistou as tão almejadas vagas no pódio. Esta disparidade nos remete a algumas reflexões, as quais ouso conjecturar a respeito.

  • Fatores geopolíticos

Pessoalmente, vejo cinco níveis de países no karate competitivo mundial:

1- Os de ponta. Aqueles que sempre brigam pelas três primeiras posições ou que invariavelmente sempre conquistam mais que duas medalhas de ouro. São eles Japão, França e Itália.

2- Os emergentes. Ficam nas posições intermediárias como Irã, Espanha, Egito, Turquia e Inglaterra;

3- Os perseverantes. Conseguem quando muito uma prata e quase sempre beliscam um bronze;

4- Os presentes. Lutam, se empenham mas sempre falta algo para o pódio.

5- Os ausentes. A WKF tem 206 federações filiadas e dificilmente há mais de 100 que participam de fato dos mundiais.

Com base no quadro de medalhas dos Mundiais, de um modo geral, realmente o nível do karate asiático e europeu se encontra alguns degraus acima do americano. Talvez isto ocorra devido o histórico competitivo desses continentes, que aparentemente não se submeteram a fragmentações em organizações mundiais de pouca expressão e sem o reconhecimento do COI. A proximidade geográfica de seus países, principalmente os da Europa, que cabe inteira dentro do território brasileiro (com direito a parte europeia da Rússia), facilita um rico intercâmbio cultural, econômico e esportivo. Uma vez que abaixo da linha do equador só temos a Austrália e Nova Zelândia como países desenvolvidos, e em nosso continente apenas Canadá e EUA, contra nós americanos, talvez a questão econômica seja um ponto a se considerar. No entanto, países latinos como México, Peru e Venezuela têm conseguido lugares ao sol no panorama do karate mundial.

  • Fatores políticos do Brasil

Há de se rever a hierarquia de prioridades que as políticas esportivas são ofertadas em nosso país, pois, ao contrário do que pareça, não é tão somente uma questão econômica, uma vez que países como China, Egito, Turquia, Irã e Marrocos entre outros, todos com menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) que o Brasil, marcaram presenças no quadro de medalhas neste último Campeonato Mundial Juvenil.

No universo dos esportes, seja em alto-rendimento ou alta performance, não há margens para erros ou meias medidas. Sempre há de se fazer o melhor com o que de melhor se tem disponível. Em geral, lamentavelmente, o que sobra para o esporte amador são migalhas e/ou a dependência que possuem dos clubes de futebol. A agravante desta história, especialmente para o karate, que injustamente ainda não integra o programa dos Jogos Olímpicos de Verão, chama-se Lei Pelé. Esta lei fomenta a fragmentação das modalidades esportivas não-olímpicas em diversas organizações administrativas, o que enfraquece o pinçamento das amostragens, confunde a imprensa, patrocinadores e público, além de propiciar a manutenção de nichos político-eleitorais que acabam por usufruir desta nefasta legislação. Provavelmente o karate é a arte marcial mais praticada no Brasil e no mundo dada a sua versatilidade e flexibilidade quanto a instalações. Como fazer para que o Brasil não se apresente como um pequeno país? Afinal, não somos um país que gosta de lutas? O judo, a capoeira, o jiu jitsu e o mma (ainda que por motivos financeiros) não são exemplos de modalidades muito praticadas e com brasileiros bem sucedidos? Não podemos verdadeiramente fazer seleções e seletivas sem que todos estejam no mesmo circuito. Segundo palavras do Hanshi Benedito Nelson, budo-ka de primeira grandeza: "É inconcebível termos cinco, seis campeões estaduais de uma mesma coisa".

  • Fatores da cultura nacional

Dado o seu parco desempenho Olímpico, o Brasil se mostra um país que não valoriza o esporte dito individual. Prova disto foi ver há cerca de duas semanas a atleta medalha de ouro no atletismo em Pequim, Maurren Maggi, se anunciando desempregada e sem patrocínio. Em nossa nação, o atleta se desenvolve num cenário lastimável em que vê os "pontas de flecha" serem tratados de modo descartável, uma vez que se nota pouco apoio já nas suas formações de base. O que esperar de quem está começando? Que futuro os aguarda após anos e anos de intensas preparação e dedicação.

Por outro lado temos esportes como o futebol, que mais parece um grande negócio a esporte propriamente dito. É inegável o monopólio esportivo que vigora no Brasil. Há quem diga que já foi pior. Questiono se este cenário ficou assim realmente por gosto popular ou por uma certa imposição por parte da imprensa, uma vez que é muito rentável manter milhares de pagantes em um evento que dura em média cerca de 90 min. Será que nossa população teve ou tem acesso as diversas modalidades esportivas? E quem prestigia através das tvs ou arquibancadas, tem oportunidade de conhecer e torcer por outras modalidades fora das duas semanas Pan-Americanas e Olímpicas? E este acesso ainda que por tv, seria massificado por tv aberta ou até nisto refletiríamos a nossa absurda desigualdade social?

  • Fatores administrativos

Embora pareça o primeiro lugar a se apontar (o nosso próprio umbigo), independentemente das lideranças que tivemos, temos ou tenhamos, creio que o cenário é completamente desfavorável para qualquer gestor.

De novo lembro da Lei Pelé. Conforme todos sabem, ela permite que uma mesma modalidade possa ter diversas entidades regionais, estaduais e até federais para o mesmo fim. No popular, ela permite que todo mundo seja "cacique". O site do ME está repleto de confederações de karate, todas de alguma forma desconstruindo a elevação de nosso patamar técnico. Ainda que se saiba que a CBK é a oficial, a mais antiga, a que tem mais representatividade nos estados e mais praticantes, a dissipação de recursos humanos e finaceiros se torna inevitável. Imaginem se todas as bolsas atleta fossem direcionadas para uma única entidade? Provavelmente teríamos TODOS os atletas da Seleção Brasileira com recursos mínimos para as suas preparações e viagens. Seriam jovens de catorze até seus trinta e poucos anos. E ainda teriam os das Seleções Estaduais, que provavelmente seriam consideravelmente beneficiados. Ainda há a confusão gerada nos municípios, que em geral contribuem para a realização de eventos. Tudo isso sem falar na agregação de maior competitividade, público e imprensa, que é quem catalisa o patrocínio privado. De modo algum o atleta deve se sentir vitorioso por simplesmente conseguir o ticket de embarque. Isso tira o foco. O intercâmbio deve(ria) ser algo corriqueiro. Ele deve(ria) ter "intimidade" com seus grandes adversários, árbitros e ginásios.

Para piorar o estado de coisas, o karate ainda tem uma fonte de cobiça: os dan (graus). Historicamente sabemos que este "comércio" sempre poluiu a nossa arte marcial. Como regulamentar este status quo?

Vale lembrar que não vemos o judo dividido aqui no Brasil, simplesmente porque são Olímpicos e com isto recebem repasses do COB. Mesmo se tivessem "desertores", como iriam recrutar praticantes e professores sem essas benesses? Infelizmente, é um "trunfo" que o karate ainda não possui.

  • Fatores profissionais

E o que dizer da desvalorização profissional em nossa arte? Salvo raríssimas excessões que aderem ao profissionalismo do show business do mma, é fato que o karate não consegue agregar valores humanos que continuadamente se sustentem dignamente do meio. Obviamente não estou falando de competências trazidas "de fora", mas sim de carreiras consistentemente construídas no seio do karate. Tal fato se acusa ao não termos em nossas comissões técnicas profissionais como cinesiologistas, fisiologistas, psicólogos, nutricionistas e preparadores físicos, entre outros. Quando os dispomos, são a título de voluntariado ou quase, na melhor das circunstâncias. Tecnicamente também pagamos um alto preço por nossa legislação, pois ao "apertar" a intensidade das aulas ou o circuito de competições se tornar mais excludente, essência do esporte de alto rendimento, o profissional (ou federação) corre o risco de ver seus filiados competirem no "concorrente", e com isso o nosso nível, comparado ao patamar mundial, fica comprometidamente estagnado ou defasado, uma vez que em sociedade capitalista, como o próprio nome diz, o capital é a mola mestra.

José Roberto Braga Prof° Ed. Física, faixa preta 3° dan e Diretor Técnico da AMK

17 comentários:

Suelem Mara disse...

Sempre que posso olho os vídeos de Larissa e Eric. Todos que ví são incríves, pois a força de vontade deles é grande, suas conquistas superam cada barreira, tendo o apoio principal que é de seus pais. É por isso que eles vão a luta sem medo.

PARABÉNS LARISSA E ERIC, VCS SÃO O FUTURO DE NOSSO BRASIL, MESMO NÃO OS CONHECENDO QUERO VER VCS SEMPRE ASSIM VITORIOSOS,NÃO SÓ PELAS CONQUISTAS DE MEDALHAS DE KARATE, MAS SIM PELA SIMPLICIDADE E GENEROSIDADE QUE TENHO CERTEZA QUE VCS PASSAM PARA TODOS!

MAIS UMA VEZ, PARABÉNS!!!!!!!!!!

OSS!

Waldemar e Stephano disse...

Olá José Roberto, td bem?
Estamos ligados nas informações.
Quero parabenizar Sr. Marcio Vignoli, por ter acreditado e ajudado Eric e Larissa, nossos futuros campeões mundiais.
Ah! Se tivessemos mais incentivadores assim nosso karate poderia estar em outro patamar.
Abraços

Luiz Rodolfo disse...

O Karatê é uma senda de muitos descortinares em direção ao infinito; através do Karatê temos oportunidade de vivenciar as forças da natureza em todos os niveis.
Desejo boa sorte em mais esta empreitada que, independente do resultado, com certeza acrescenta muito a todos.
Cordiais Saudações.
Prof. Rodolfo Ortiz
Rio de Janeiro

SIDRACK FILHO disse...

Continue meu amigo, continue.

Seguem uns pensamentos:

"O mistério existente entre um momento inesperado e uma pessoa preparada revela a verdade".

Gichin Funakoshi

"O último dia fácil foi ontem".

Autor desconhecido

E ainda:

"Vá e vença".

Todos os vitoriosos
_______________
_______________
SIDRACK FILHO
__Foto & Arte__
________________

Rogerio Gavazza disse...

Parabéns pelo exelente trabalho no desenvolvimento do Karate.
Parabéns pela conquista de seus atletas e pelo apoio de todos os envolvidos.

OSS!!!!

Saudações desportivas,

Rogerio Gavazza (Faixa preta 3º Dan de Katate e Presidente da Federação de Jiu-Jitsu Desportivo do Rio de Janeiro)

Cesar Estivales disse...

PARABÉNS!!!

É um grande feito! Já são vencedores! É a coroação de uma história de vitórias! São exemplos para todos os jovens seguirem este caminho, porque suas vidas seguem os caminhos do amor pelo Karatê e por isso eles são capazes de realizar grandes conquistas.

Nós da Associação Centro Sul de Karatê Oficial sentimo-nos felizes por eles e percebemos neles uma felicidade sonhada por muito tempo, espero que esse sonho nunca se acabe e que seus ideais sejam todos possíveis.

Parabéns, um grande abraço e recebam o nosso incentivo!

SIDRACK FILHO disse...

JR por favor me mantenha informado.
Sidrack

Adriano Paulo disse...

Parabéns amigo!!!!!!

Vejo seu empenho e dedicaçao. Você merece e terá o reconhecimento merecido.

Espero poder prestigiar um de seus eventos.

Abraços...

Janaína Cordeiro disse...

Meu amigo,

Força, garra , fé e perceverança...

Ainda é cedo pra desanimar. Sei o quanto te custou. Afff!Imagino, mas nada acontece por acaso.

Um forte abraço,
Janaína

Moacir Varella disse...

Vocês já são campeões pelo esforço, o qual nós acompanhamos.

Estamos acompanhando e torcendo pelo Brasil e pelos seus filhos.

Parabéns pelas crianças (atletas).

Varella e família.

Danilo Maia disse...

Que pena ela ter caído em uma chave muito forte de cara. Mas ela é nova e muito dedicada certamente lutará outro mundial.

Oss!!!

Renata Marialva disse...

Parabéns princesa! Por td seu caminho brilhante no esporte até aqui. Vc é exemplo de garra, competencia e amor pelo que faz. Este ano foi maravilhoso e com certeza abrirá caminho para mais conquistas. E agradecemos aos novos amigos patrocinadores, que acreditaram no nosso esporte e nas nossas crianças Larissa e Eric. Continuem com a gente, pois o futuro do esporte amador depende de empresas que pensam como vcs.
Abraço grande da sua sempre fã Renata.

Prof. Rodolfo Aragão Ortiz disse...

A Família Braga.

Vocês são vencedores, pois o que importa é a vibração com o karatê.

Meus sinceros parabéns !!!

Cordiais Saudações.

Prof. Rodolfo Aragão Ortiz

Gláucio Coelho disse...

Zé,

Parabéns a vc e tua família/equipe, pois, só o fato de ter ido ao outro lado do mundo e lutado já os torna campeões!!!!!!

Grande Abraço a todos!!!!


Gláucio

Clemente Santiago disse...

Valeu Zé Roberto!

Muito boa a matéria. Está de parabéns, o impotante é que o sonho foi realizado de estar lá participando os resultados são as consequencias, um grande para vc e toda sua familia guerreira.

Oss!!!

Anônimo disse...

Férias obá eles merecem...sem palavras.
Dra. Ercilene Albarado
www.karatedasmeninas.com

Guy disse...

Bom dia José,

Gostei de teu reportagem. Pertinente e bem eleborado...

Merci et à bientôt.